Site Overlay

Ambulantes protestam contra projeto da Prefeitura do Rio de remover camelôs do Centro

Camelôs, ambulantes e feirantes que trabalham no centro de Rio de Janeiro farão um ato nesta terça-feira (18) contra um projeto de lei da Prefeitura do Rio para revitalizar a região, transformando parte da região em área residencial. Os trabalhadores argumentam que, para isso, o poder público quer remover os camelôs e a população em situação de rua do local.

O ato ganhou o nome de "Reviver Camelô no Centro" em referência ao "Programa Reviver Centro", projeto de lei do prefeito Eduardo Paes (DEM). O encontro dos trabalhadores será às 10h, na Cinelândia, e está sendo organizado pelo Movimento Unido dos Camelôs (Muca) e pela União Trabalhadores e Trabalhadoras Camelôs, Ambulantes e Feirantes do Brasil (Unicab).

Leia mais: Ambulantes do Rio reivindicam ampliação do pagamento do Auxílio Carioca

Nesta segunda-feira (17), o Muca protocolou na prefeitura um ofício apontando falhas no projeto. O movimento afirma que o Executivo não consultou os representantes dos ambulantes durante a elaboração do documento. Já no ato de amanhã, o Muca fará a distribuição de um sopão para a população de rua, arrecadará alimentos e receberá doações de agasalhos e cobertores

Segundo Maria de Lurdes do Carmo, conhecida como Maria dos Camelôs e representa do MUCA, não é possível pensar em um projeto de revitalização do Centro sem um debate com a categoria. Ela afirma que os trabalhadores não são contra o Reviver Centro nem contra a organização da cidade, mas que trabalhadores e trabalhadoras também precisam ser ouvidos.

“Queremos um projeto que inclua os camelôs que habitam e trabalham nessa cidade. Vamos continuar na luta. O camelô é trabalhador. Atrás de cada tabuleiro, de cada barraca, há uma mãe ou pai de família que todos os dias sai de casa para manter o sustento dos filhos. Precisamos ser ouvidos e respeitados”, defende a coordenadora do movimento.

Leia também: Na cidade do Rio, pacientes internados por covid-19 poderão receber visita

"Choque de ordem"

O MUCA e a UNICAB afirmam também que desde abril vêm tentando conseguir um encontro com Eduardo Paes. Eles argumentam que o prefeito se reuniu com um "gabinete de crise do Centro", composto por agentes da Prefeitura, associações de moradores e empresários e investidores de grande relevo na região Central. Nenhum representante dos ambulantes foi convocado para fazer parte deste comitê. 

::Vendedores ambulantes de Belo Horizonte organizam rede de apoio própria::

Maria dos Camelôs ressalta que o projeto trata de “choque de ordem” e “tolerância zero”, que ela classificou como uma "política higienista do prefeito, como em suas gestões anteriores". Ela lembra que durante sua campanha para o segundo turno das eleições de 2020, Paes prometeu aos representantes do MUCA que o diálogo com os ambulantes estaria aberto caso fosse eleito.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Eduardo Miranda

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *