Site Overlay

Após recorde no número de mortes por covid, Curitiba inicia lockdown por nove dias

O Prefeito de Curitiba Rafael Greca, através das suas redes sociais, na noite desta sexta feira, 12, anunciou que a partir da meia noite a cidade entra na bandeira vermelha, que representa grau de alerta de alto risco  e medidas mais restritivas no enfrentamento contra a pandemia do novo coronavírus.

Greca disse que junto às novas medidas decretará lockdown pela primeira vez desde o inicio da pandemia. A medida se estende até a madrugada do domingo, dia 21, para segunda-feira, dia 22

:: Quinze dias após reuniões presenciais, três professoras de Curitiba morrem de covid :: 

Ao fazer o anúncio do lockdown, o prefeito disse que a decisão se deu devido aos últimos números de aumento de casos e mortes na cidade e atendendo às recomendações de órgãos da saúde como o Conselho Regional de Medicina, Conselho Regional de Enfermagem, da própria Secretária Municipal de Saúde, Márcia Huçulak e órgãos do judiciário, como o Ministério Público e Tribunal de Contas.

“É a primeira vez que faremos lockdown. Eu acompanhei o Governador do Paraná no ano passado, fazendo restrições severas, mas agora teremos que ir para esta decisão mais difícil,” disse o prefeito de Curitiba. 

Nesta sexta-feira (12) a cidade registrou 34 mortes por Covid-19 – 20 nas últimas 48 horas. Este é o maior número de mortes divulgado pela prefeitura em um único dia, levando ao numero total de 3.176 mortes desde o início da pandemia.

:: Artigo | Chegamos ao limite da irresponsabilidade aceitável :: 

O boletim da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) também registrou ainda 1.525 novos diagnósticos de Covid-19. As medidas e o funcionamento do lockdown serão detalhados em um decreto que deverá ser publicado nas próximas horas.

Greca antecipou que Neste período, só poderão funcionar supermercados, farmácias, postos de gasolina e serviços essenciais da cidade, como limpeza pública. Comércio, indústria e serviços estão proibidos de abrir na cidade, indicou o prefeito.

 

Edição: Gabriel Carriconde e Douglas Matos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *