Site Overlay

Artigo | #19J: Reação deve ser forte nas ruas do país para o impeachment de Bolsonaro

Quinhentas mil mortes. Sim, estamos chegando a esse número inacreditável que não só assusta como deveria causar revolta em todos os brasileiros. É como se toda a população de São João de Meriti, município da Baixada Fluminense, desaparecesse, ou a cidade de Florianópolis, em Santa Catarina, sumisse do mapa.

Leia mais: Vai protestar contra Bolsonaro? Saiba como ir às ruas seguindo protocolos sanitários

Podemos fazer inúmeras comparações como com estádios de futebol lotados, aviões caindo, mas nada, nada mesmo, adianta. As sugestões valem somente para despertar para essa tragédia que estamos vivendo. Porque a dor é imensamente maior do que tudo isso.

Meio milhão de pessoas que com certeza tinham família, amigos, planos. Meio milhão de pessoas que poderiam estar vivas não fosse a imensa irresponsabilidade desse governo que deixou um vírus mortal se espalhar pelo país, em mais uma atitude de passar a boiada claramente para defender seus interesses.

Não só temos convicção como já está comprovado, a partir dos depoimentos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado Federal, que o presidente Jair Bolsonaro sem partido) negou inúmeras vezes as ofertas de vacina, inclusive com preços mais baixos do que os oferecidos para outros países. Mas foi muito rápido para aceitar a Copa América.

Tudo isso são fatos consumados, mas qual será a nossa resposta? 

Precisamos mostrar para senadores, deputados, ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), autoridades e ainda àqueles que não conseguem enxergar por conveniência ou ingenuidade as atrocidades que esse governo vem fazendo com o país e consequentemente com a sua população. Essa luta é de todo o povo brasileiro.

O momento também exige responsabilidade, caráter e moral. Não podemos mais esperar que alguma coisa será feita para barrar Bolsonaro. As vozes da rua precisam ecoar alto.

A sede de poder, no sentido mais amplo do autoritarismo desse governo, não se contenta em retirar direitos e atacar trabalhadoras e trabalhadores, minorias, políticas públicas, jogando milhares de famílias na miséria. Isso é pouco. Chegamos à marca de 500 mil pessoas mortas com o presidente zombando da população, comemorando “cancelamento de CPF”, imitando pessoas com falta de ar, recomendando o não uso de máscara e promovendo aglomerações sem nenhum sentido.

 

Jair Bolsonaro posa sorrindo para foto com placa que faz referência à morte de pessoas. O termo "CPF cancelado" é usado pelo apresentador Sikêra Júnior para se referir a supostos criminosos que são assassinados. No Brasil não há pena de morte. Foto: Alan Santos/PR pic.twitter.com/D4hnonIM4T

— Brasil de Fato (@brasildefato) April 24, 2021

 

Não é possível ser omisso diante desse quadro impressionante e insustentável que estamos vivendo. A economia é um dos maiores termômetros. Enquanto o desemprego continuar batendo recordes, a queda da circulação da moeda continuará sendo fato, assim como o aumento acelerado das desigualdades em todas as suas faces.

Voltemos às ruas. É possível tomar todos os cuidados necessários que a situação exige. Assim como essa situação também urge para a exigência do fim desse governo catastrófico. Por isso, as nossas vozes são tão importantes. O grito “Fora Bolsonaro” é a principal luta para o fim desse pesadelo absolutamente real que estamos vivendo. As vozes vêm da rua, as vozes vêm do povo.

*Sandro Cezar é presidente da Central Única dos Trabalhadores do Rio de Janeiro (CUT-RJ).

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Mariana Pitasse