Site Overlay

Artigo | Se Wilson Witzel, ameaçava “mirar na cabecinha”, o seu substituto acerta

"Lá vem o caveirão, mãe", "Vem pra dentro de casa, menino", "Tem polícia com o pé na porta, pai", "Cadê os documentos, meu filho?". Esse diálogo não é um mero arremedo. O medo e o açodamento são reais. Nas favelas e periferias do Rio de Janeiro, há um batalhão de pretos que ninguém vê, mas o tiro alcança.

A maioria, gente que trabalha de sol a sol, que suspira por dignidade, que segue as leis, mas é obrigada, insistentemente, a explicar que sua existência é honesta e, nem assim, tem seu direito básico e fundamental à vida respeitado.

Que futuro o estado planeja se insiste em exterminar aquelas que deveriam ser as faixas etárias mais promissoras e produtivas? 

A morte de Kathlen Romeu, aos 24 anos e grávida, na zona norte da cidade, causou furor nas redes sociais, ganhou destaque nos jornais e fez ecoar vozes indignadas de parte da sociedade, mas, amanhã, terá sido esquecida.

Até quando nos sujeitaremos ao eterno retorno do sacrifício de crianças e jovens, as vítimas mais frequentes das atrocidades que se avolumam ano após ano?

Que futuro o estado planeja se insiste em exterminar aquelas que deveriam ser as faixas etárias mais promissoras e produtivas? 

Os governos do estado do Rio vem tratando assim as suas populações. A estratégia e execução da política de segurança no estado revelam um quadro cruel e ao arrepio da lei, já que os dados dos órgãos de pesquisa apresentam um número expressivo de mortes violentas em decorrência da intervenção policial, mas que não apresenta igual volume quando o assunto é a redução do crime organizado ou do tráfico de armas e drogas.

Seriam então as mortes violentas a própria finalidade dessa política?

Quando defensoras e defensores de direitos humanos nomeiam a política de segurança do estado como desastrosa, estão dizendo em alto e bom som que esta política deveria garantir a vida.

Mas há pouco mais de uma década, o que é possível perceber da execução dos planos da segurança pública para parte da população fluminense, é que existe um plano em desenvolvimento, e que este pode ser caracterizado como “exitoso”, pelas práticas e pronunciamentos de quem está à frente do executivo estadual. Contudo, parece que o que já era ruim, tem se demonstrado pior. 

Não chegaremos a nenhuma mudança sem que todos entendam que as mortes precoces e violentas precisam de um basta sonoro e definitivo.

Nas favelas e periferias há bandidos, o que também não falta na zona sul ou na Barra da Tijuca, nos condomínios de luxo como o Vivendas da Barra, onde vivia o presidente da República até assumir o Palácio do Planalto.

O que nos difere – quem tem origem favelada e quem vive entre os túneis e o mar – é o tratamento dado pelo estado. Se o ex-governador Wilson Witzel ameaçava “mirar na cabecinha”, o seu substituto, Cláudio Castro, acerta. E comemora, enquanto as famílias choram seus mortos.  

Por que mesmo os pretos e favelados são alvos preferenciais de blindados e equipamentos bélicos e seus disparos autorizados por sucessivos governos?

Por que a insistência em nos repartir como sociedade como se formássemos uma casta inferior e não merecedora do mesmo cuidado e da mesma atenção que são dados aos privilegiados por sua cor e sua condição social e econômica além-túnel? É urgente, portanto, que os direitos humanos pautem as ações do estado.

Mas não chegaremos a nenhuma mudança sem que todos entendam que as mortes precoces e violentas precisam de um basta sonoro e definitivo. Pelo presente, para que cessem as dores. Pelo futuro, para que sejamos uma sociedade melhor. 

*Dani Monteiro é presidenta da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Mariana Pitasse