Site Overlay

Belo Horizonte: Kalil anuncia fechamento de atividades não essenciais

Em uma coletiva online realizada hoje, quinta-feira (5), o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), anunciou que a partir de amanhã, sábado (6), as atividades não essenciais da capital estarão proibidas de funcionar. Nas palavras do prefeito: "Vamos trancar a cidade novamente". Assim, academias, bares, restaurantes, shoppings, dentre outros, ficam proibidos de abrir. Conforme Kalil, os últimos números do boletim epidemiológico são alarmantes, o que gera a necessidade de restringir tudo outra vez. Kalil informou, também, que irá editar o decreto 17.328, publicado em 8 de abril de 2020, que traz as restrições mais drásticas para o período de pandemia. 

:: Receba notícias de Minas Gerais no seu Whatsapp. Clique aqui :: O decreto de 8 de abril de 2020:

DECRETO Nº 17.328, DE 8 DE ABRIL DE 2020. Suspende por tempo indeterminado os Alvarás de Localização e Funcionamento e autorizações emitidos para todas as atividades comerciais e dá outras providências. O PREFEITO DE BELO HORIZONTE, no uso da atribuição que lhe confere o inciso VII do art. 108 da Lei Orgânica e considerando a Situação de Emergência em Saúde Pública declarada por meio do Decreto nº 17.297, de 17 de março de 2020, DECRETA: Art. 1º – A partir de 9 de abril, ficam suspensos, por prazo indeterminado, os Alvarás de Localização e Funcionamento – ALFs – de todas as atividades comerciais no âmbito do Município de Belo Horizonte, consideradas as exceções previstas neste decreto. Art. 2º – Além do disposto no art. 1º, ficam suspensos os ALFs e autorizações das seguintes atividades: I – casas de shows e espetáculos de qualquer natureza; II – boates, danceterias, salões de dança; III – casas de festas e eventos; IV – feiras, exposições, congressos e seminários; V – shoppings centers, centros de comércio e galerias de lojas; VI – cinemas e teatros; VII – clubes de serviço e de lazer; VIII – academia, centro de ginástica e estabelecimentos de condicionamento físico; IX – clínicas de estética e salões de beleza; X – parques de diversão e parques temáticos; XI – bares, restaurantes e lanchonetes; XII – autorizações para eventos em propriedades e logradouros públicos; XIII – autorizações de feiras em propriedade; XIV – autorizações para atividades de circos e parques de diversões. Art. 3º – Caso tenham estrutura e logística adequadas, os estabelecimentos de que trata este decreto poderão efetuar entrega em domicílio e disponibilizar a retirada no local de alimentos prontos e embalados para consumo fora do estabelecimento, desde que adotadas as medidas estabelecidas pelas autoridades de saúde de prevenção ao contágio e contenção da propagação de infecção viral relativa ao Coronavírus – COVID-19. Art. 4º – O funcionamento de bares, restaurantes, lanchonetes e estabelecimentos congêneres no interior de hotéis, pousadas e similares, poderá ser mantido para atendimento exclusivo aos hóspedes, desde que adotadas as medidas estabelecidas pelas autoridades de saúde de prevenção ao contágio e contenção da propagação de infecção viral relativa ao COVID-19. Art. 5º – As atividades administrativas e os serviços essenciais de manutenção de equipamentos, dependências e infraestruturas referentes aos estabelecimentos cujas atividades estão incluídas neste decreto poderão ser realizadas preferencialmente por meio virtual ou com portas fechadas para o público externo com adoção de escala mínima de pessoas. Art. 6º – O disposto neste decreto não se aplica aos serviços de saúde, farmácias, laboratórios, clínicas, hospitais, óticas, supermercados, hipermercado, padaria, sacolão, mercearia, hortifruti, armazém, açougue, posto de combustível para veículos automotores, lojas de materiais de construção civil, agências bancárias, lotéricas e correios, incluindo aquelas em funcionamento no interior de shoppings centers, centros de comércio e galerias de lojas, desde que adotadas as medidas estabelecidas pelas autoridades de saúde de prevenção ao contágio e contenção da propagação de infecção viral relativa ao COVID-19. Art. 7º – As atividades não incluídas nas restrições deste decreto, deverão funcionar com medidas de restrição e controle de público e clientes, bem como adoção das demais medidas estabelecidas pelas autoridades de saúde de prevenção ao contágio e contenção da propagação de infecção viral relativa ao COVID-19. Art. 8º – Ficam suspensas enquanto perdurar a Situação de Emergência em Saúde Pública a utilização de praças e outros locais públicos para a prática de atividades de esporte e lazer coletivas ou individuais que gerem aglomeração de pessoas. Art. 9º – O descumprimento do disposto neste decreto acarretará a responsabilização administrativa, civil e penal nos termos da legislação aplicável. Parágrafo único – Enquanto perdurar a Situação de Emergência em Saúde Pública, a Guarda Civil Municipal fica autorizada a recolher o ALF dos estabelecimentos comerciais que descumprirem o disposto neste decreto. Art. 10 – A proibição de que trata este decreto inclui as atividades dispensadas de ALFs nos termos do Decreto nº 17.245, de 19 de dezembro de 2019. Art. 11 – Fica revogado o Decreto nº 17.304, de 18 de março de 2020. Art. 12 – Este decreto entra em vigor na data de sua publicação. Belo Horizonte, 8 de abril de 2020. Alexandre Kalil Prefeito de Belo Horizonte  

Fonte: BdF Minas Gerais

Edição: Elis Almeida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *