Site Overlay

Caiaquistas atravessam 350 km do rio Paraná por uma lei de proteção dos pântanos argentinos

Um grupo de mais de 50 caiaquistas realiza uma travessia pelo rio Paraná, na Argentina, para reivindicar a lei de zonas úmidas – chamada "ley de humedales" –, que ocupa mais de 20% do território do país vizinho. A remada coletiva terá duração total de uma semana, com paradas anunciadas em algumas cidades, onde o grupo tem recebido apoio e ampliado o debate sobre a necessidade de uma legislação que proteja o pântano do delta do Paraná.

"As pessoas contam que a fumaça é constante, e que nas últimas semanas foi insuportável", relatou Macarena Romero Acuña, antropóloga e integrante da organização Multisectorial, em entrevista ao jornal Tiempo Argentino. "Há pessoas que moram nessas zonas úmidas, nem tudo aqui é extrativismo. E estamos vendo muitos casos assim, de gente que tem acompanhado preocupada, não necessariamente militando em organizações, mas que fazem parte da causa."

:: Baixa histórica do rio Paraná amplia debate sobre privatização dos portos argentinos ::

A convocatória, realizada pela Multisectorial Humedales, da província de Rosário, com mais 380 organizações, foi impulsionada a partir dos incêndios das ilhas do delta do Paraná do ano passado, que bateram recordes. Estima-se que pelo menos 350 hectares já foram perdidos de maneira irreversível pelo fogo, provocado para criar pastagens para gado, instalações agrícolas ou desenvolvimento imobiliário.

O grupo remará por cerca de 350 km para chegar na próxima quarta-feira (18) na cidade de Buenos Aires, para concluir a manifestação por terra. Na ocasião, haverá uma concentração na Praça de Maio, onde se localiza a Casa Rosada, sede do governo, e a marcha irá em direção à Praça do Congresso, em frente ao Congresso Nacional.

imagem16-08-2021-21-08-04 "Entendemos que a saída para esta situação é coletiva", afirma organização que convoca às manifestações pela lei de zonas úmidas. / Pablo Benvenuto

O grupo que realiza a travessia conta com o apoio logístico por terra, que contribui com o fornecimento de alimentos e cuidado coletivo. Fazem paradas técnicas de almoço e descanso noturno nas diferentes orlas das cidades ribeirinhas. Nesta segunda-feira (16), o grupo passa pelo Parque Nacional Ciervo de los Pantanos, na cidade de Zárate, província de Buenos Aires.

Nas redes sociais, é possível acompanhar o trajeto e o debate a partir da hashtag #LeyDeHumedalesYa e pelo perfil do Instagram @multisectorialhumedales, onde compartilham fotos e fazem lives com os participantes da travessia.

:: A fome é a grande história de nosso tempo ::

Um projeto prometido e postergado

O projeto de lei de proteção às zonas úmidas foi um conjunto de 15 textos já apresentados previamente ao Congresso. Para chegar ao tratamento no recinto e ir, finalmente, à votação, o PL precisa passar nas três comissões atribuídas para avaliação prévia na Câmara dos Deputados.

No dia 20 de novembro do ano passado, recebeu o aval da Comissão de Recursos Naturais e Conservação do Ambiente Humano, na Câmara dos Deputados. Desde então, aguarda seu tratamento nas comissões de Agricultura e Gado, Orçamento e Fazenda e a de Interesses Portuários, Marítimos, Fluviais e Pesqueiros.

"Exigimos que o projeto de lei seja tratado, de maneira urgente, em uma plenária das três comissões restantes", pontua a convocatória da Multisectorial. "Legisladores, esperamos que vocês estejam à altura para começar a priorizar nossa saúde e a dos nossos territórios sobre um modelo produtivo que só mostra capacidade para destruí-lo a todo custo."

Edição: Thales Schmidt