Site Overlay

Campanha Tributar os Super-Ricos promove live sobre situação das mulheres na pandemia

Mais de 8,5 milhões de mulheres perderam o emprego somente no terceiro trimestre de 2020 no Brasil. O saldo entre demissões e contratações foi negativo em 897 mil vagas entre março e setembro, das quais 65% eram ocupadas por mulheres.

“Além de serem as que mais perderam empregos formais e informais, as mulheres sofrem com a violência doméstica e aumento do trabalho em casa, gerando adoecimento mental e maior vulnerabilidade pela redução de políticas sociais pelo governo federal”, destaca a presidenta do Instituto Justiça Fiscal (IJF), Maria Regina Paiva Duarte.

Desemprego, violência doméstica e adoecimento mental são alguns dos temas do diálogo virtual marcado para quinta-feira (11), às 19 horas, na live “Pela Vida das Mulheres”, promovida pela Campanha Tributar os Super-Ricos.

Parlamento, academia e movimento social no debate

O debate contará com as deputadas federais Erika Kokay (PT-DF), Gleisi Hoffmann (PR), presidenta nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), e Fernanda Melchionna (PSOL-RS).

Também participarão das discussões Juliane Furno, doutora em Desenvolvimento Econômico pelo Instituto de Economia da Unicamp, e Débora Silva, fundadora do movimento social Mães de Maio, da Baixada Santista.

A live será transmitida pelo Facebook da Campanha Tributar os Super-Ricos, com retransmissão na página do Brasil de Fato RS.

Tributar os mais ricos para salvar vidas

O Brasil tem mais de 60 milhões na pobreza e 14 milhões de desempregados. Mesmo na pandemia, os super-ricos ficaram ainda mais ricos, como demonstra estudo da Oxfam. Entre 18 de março e 12 de julho de 2020, 42 bilionários brasileiros aumentaram o patrimônio em R$ 176 bilhões.

O país ocupa a segunda posição em concentração da renda total pelo 1% mais rico, perdendo apenas para o Catar. Também ostenta a sétima posição entre os países com maior número de bilionários.

Estudo recente do IJF demonstra que R$ 650 bilhões em impostos deixaram de ser cobrados dos mais ricos em 11 anos, entre 2007 e 2018.

“Com pessoas cada vez mais ricas e pagando menos impostos do que os mais pobres, aumenta muito a desigualdade, além de produzir e agravar a violência. Quem mais sofre com isso são as mulheres”, reforça Maria Duarte do IJF, uma das entidades que articula a campanha nacional por tributação mais justa.

Oito projetos foram apresentados ao Congresso Nacional em agosto de 2020 propondo aumento de impostos para os 0,3 % mais ricos do país – atualmente subtributados ou isentos – e redução para os mais pobres e para as pequenas empresas, aumentando recursos para estados e municípios.

“É urgente salvar vidas com justiça fiscal. Esses projetos tributam apenas 59 mil pessoas entre os 210 milhões de brasileiros”, destaca Rosilene Correa, integrante da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), uma das organizações que atua para aprovar as medidas.

Mais de 70 entidades nacionais aderiram às propostas que integram a campanha Tributar os Super-Ricos e reivindicam a tramitação desses projetos que promovem justiça fiscal, fortalecem a economia e reduzem a desigualdade, com garantia de recursos para renda emergencial e políticas sociais que cuidam das pessoas.

Os efeitos da Covid-19 tendem a se aprofundar ainda mais com os cortes do governo federal no investimento social, atingindo as políticas de assistência, saúde e educação. “A pandemia escancarou a necessidade essencial de recursos públicos para atendimento à população mais vulnerável. O Parlamento pode fazer a sua parte para salvar vidas”, conclui Duarte.

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Marcelo Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *