Site Overlay

Cuba começa a desenvolver quinta vacina contra a covid-19

Cuba anunciou, nesta quarta -feira (3), o início do desenvolvimento da quinta vacina contra a covid-19, a Soberana 01A. A nova fórmula busca diminuir os riscos de novo contágio em pacientes que já foram infectados com a doença.

O país também possui outros quatro imunizantes em distintas fases: a Soberana 01, já na etapa II de teses; a Soberana 02, a candidata vacinal mais avançada, com 150 mil doses produzidas; a Abdala, que iniciará a fase III de provas, na capital Havana e em Santiago, com aplicação em 42 mil voluntários, a partir da próxima semana; e a Mambisa, ainda na primeira fase de testes clínicos, que seria o primeiro medicamento contra a covid-19 com aplicação nasal.

Leia aqui: Cuba inicia nova fase de testes de segunda vacina contra covid-19

A Soberana 02 tem duas combinações distintas que estão sendo testadas, ambas baseadas na proteína RBD (receptor-binding domain, da tradução em português domínio de união ao receptor), aliada a um toxoide tetânico. Os cientistas cubanos usaram uma vacina desenvolvida em 2004 contra o vírus Influenza como base para criar o novo fármaco.

"Em cada um dos passos estamos cumprindo com todas a regulamentação nacional e internacional, com o rigor científico necessário", afirmou a diretora do Centro de Controle Estatal de Medicamentos, Equipamentos e Dispositivos Médicos (Cecmed), Olga Lidia Jacobo.

O governo cubano promete produzir 100 milhões de doses até o final do ano para imunizar toda a população local e os turistas que visitem a ilha. Cuba também anunciou a criação de um banco de vacinas, junto à Venezuela, para os países da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (Alba-TCP).

Saiba mais: Cuba e Venezuela anunciam criação de banco de vacinas contra a covid-19

Apesar do bloqueio econômico, imposto pelos Estados Unidos, que gerou um prejuízo estimado em US$ 114,4 bilhões em quase seis décadas, a biomedicina cubana foi capaz de desenvolver cinco candidatos de imunizantes, tornando-se o primeiro país da América Latina em ter uma vacina própria contra o novo coronavírus.

Além dos imunizantes, Cuba também desenvolveu o Interferon Alfa 2B, remédio com eficácia de até 80% no tratamento de pacientes em estado moderado da doença e agora lança seus respiradores próprios para atender casos graves.

Leia também: Conselho Político da Alba-TCP exige o fim das sanções impostas pelos Estados Unidos

São cinco modelos de respiradores, criados com impressoras 3D, pela equipe do Grupo de Indústria, Eletrônica, Informática, Automatização e Comunicações de Cuba (Gelect).

Os protótipos começaram a ser produzidos em maio do ano passado e agora estão prontos para ser analisados pelo Centro de Controle (Cecmed), que deve dar o aval para o uso em pacientes em estado avançado da infecção causada pelo vírus sars-cov2.

Segundo a equipe, somente os sensores e o motor dos respiradores são importados, o restante foi fabricado por profissionais cubanos.

 

 

Depois de quase um ano do caso zero, Cuba registra 51.587 contaminados com covid-19, sendo que quase 47 mil já se recuperaram da doença e 328 faleceram.

De acordo com o Ministério de Saúde Pública da ilha, entre os 4277 casos ativos, apenas 35 estão em estado grave.

Se confirmaron 997 nuevos casos de #COVID19, para un acumulado de 51 587. 4277 casos activos 4217 evolución clínica estable 25 pacientes en estado crítico 35 pacientes en estado grave 328 fallecidos (4 en el día) 46926 pacientes recuperados 2 evacuadoshttps://t.co/trU5R8WAFF pic.twitter.com/zP7kZxMhL8

— Ministerio de Salud Pública de Cuba (@MINSAPCuba) March 2, 2021

"Estamos cada vez mais perto do momento em que podemos iniciar a vacinação massiva da população com segurança", assegurou o presidente Miguel Díaz Canel durante uma reunião de trabalho com os cientistas responsáveis pelas investigações.

O chefe de Estado ressaltou que o desenvolvimento de uma vacina própria faz parte do esforço cubano para garantir sua soberania nacional.

Edição: Rebeca Cavalcante

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *