Site Overlay

Devastado, porto de Beirute tem significado histórico para o Brasil

O porto de Beirute, renovado e ampliado em 1887, deve ter sido um cenário familiar para os antepassados de diversos políticos brasileiros

A costa de Beirute, devastada pela explosão que deixou mais de cem mortos na terça-feira (4), faz parte de uma geografia sentimental brasileira.Foram dos portos dessa cidade que os libaneses começaram a embarcar para o Brasil em torno de 1870. Foi em Beirute, também, que Dom Pedro 2º desembarcou no início de sua viagem pela chamada Terra Santa em 1876, passando por Jerusalém e Damasco.

O porto de Beirute, renovado e ampliado em 1887, deve ter sido um cenário familiar para os antepassados de diversos políticos brasileiros.

Nasceram no Líbano pessoas como Salim Farah Maluf, Khalil Haddad e Nakhul Temer -os pais de Paulo Maluf, Fernando Haddad (PT) e Michel Temer (MDB), respectivamente. Há descendentes de árabes em outras áreas: o cantor Fagner, o jornalista Guga Chacra e o autor Milton Hatoum.

Escritores brasileiros de ascendência libanesa mencionam em suas obras, inclusive, a costa de Beirute.

“O porto aparece como um ponto de transformação na vida dos personagens”, diz Muna Omran, do Grupo de Estudos e Pesquisa Sobre o Oriente Médio. De origem sírio-libanesa, Omran analisa as representações literárias feitas dos árabes, por exemplo, na obra de Salim Miguel. “O porto representa o fim e o início de uma nova etapa em suas vidas.”

Essa conexão histórica ajuda a explicar as tantas demonstrações de solidariedade circuladas desde o desastre no porto. O ex-presidente Temer disse em uma nota: “Que o espírito de luta e superação dos libaneses mais uma vez esteja presente. Força, meu Líbano!”.

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) afirmou em uma rede social que buscava informações no consulado brasileiro. “A família de meu pai é de lá”, escreveu. Sua tia Sabah, morta em 2014, foi uma das grandes cantoras libanesas.

Não há um número exato de quantos libaneses migraram para o Brasil. Uma estimativa corrente é de que 150 mil pessoas vieram do que são hoje o Líbano e a Síria. Uma pesquisa divulgada em julho pela Câmara de Comércio Árabe-Brasileira diz que há 12 milhões de brasileiros de origem árabe. O cálculo foi feito pelo Ibope. Pesquisadores, no entanto, alertam para um provável exagero na projeção.

Segundo o Itamaraty, cerca de 20 mil brasileiros moram no Líbano atualmente. A maior parte deles reside no vale do Beqaa -que fica a 30 km de Beirute. Há vilarejos nessa região em que o português é uma língua corrente.

Os libaneses migraram em massa para o Brasil saindo do que era, naquela época, o Império Otomano. Fugiam da pobreza e da fome, depois do colapso do mercado da seda e da Primeira Guerra Mundial (1914-1918).

Libaneses também escapavam, em casos específicos, de atritos religiosos e das autoridades locais, que escanteavam súditos cristãos.

Era um momento de grande ansiedade e de gigantes expectativas. Falava-se nos tesouros escondidos no Brasil, um país em que todo o mundo poderia enriquecer.De fato alguns prosperaram. Caminharam pelo país mascateando com uma caixa nas costas e montaram lojinhas na rua 25 de Março. Poucos, como a família Jafet, abriram indústrias. Muitos, é claro, labutaram a vida toda sem enriquecer.

Uma das instituições mais emblemáticas dessa diáspora é o Hospital Sírio-Libanês, idealizado por Adma Jafet ainda nos anos 1920 e inaugurado oficialmente em 1965. Há, ainda, os históricos clubes paulistanos, como o Homs e o Monte Líbano.

Libaneses foram também para outros países do continente, em especial para os Estados Unidos e para a Argentina. Para homenageá-los, foi erguida uma estátua no porto de Beirute: um homem com uma sacola nas costas olhando para o mar conquistado.

Não há informações sobre o que aconteceu com a estátua depois da explosão que engoliu a região do porto -imagens após a tragédia mostram uma cratera ladeada por construções obliteradas. Edifícios em toda a cidade foram danificados, incluindo o aeroporto, a dez quilômetros dali. Segue de pé, por outro lado, a memória que aproxima o território brasileiro do libanês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *