Site Overlay

El Salvador vai às urnas neste domingo (28) em meio a | Internacional

A população de El Salvador irá às urnas neste domingo (28) para eleger 84 deputados e membros dos conselhos – cargo equivalente ao de vereador – de 262 municípios do país. Devido à pandemia de covid-19, residentes no exterior não poderão participar do pleito. Estão aptos a votar, no país, 5,4 milhões de eleitores.

Além da covid-19, que matou 1.832 salvadorenhos, o contexto pré-eleitoral é marcado pela violência contra o partido de esquerda Frente Farabundo Martí para la Liberación Nacional (FMLN), fundado como grupo guerrilheiro na década de 1980. Um mês atrás, um ataque a tiros no centro da capital, San Salvador, matou dois militantes e feriu cinco. A polícia investiga os mentores dos assassinatos.

O partido Novas Ideias, do atual presidente Nayib Bukele, aliado aos Estados Unidos, lidera as intenções de voto na maioria das regiões, acima da FMLN e da Aliança Nacionalista Republicana (Arena), que representa a direita tradicional. 

A Arena tem o maior número de representantes na atual legislatura, 35, contra 23 da FMLN. Uma vitória expressiva do Novas Ideias abriria caminho para Bukele governar "sem contrapesos", segundo analistas locais.

:: Ataque contra militantes da FMLN deixa dois mortos em El Salvador a um mês da eleição ::

Contexto econômico

Um dos planos do presidente para os próximos meses é firmar um novo acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), o que implicaria em ajustes fiscais que devem prejudicar a população mais pobre, segundo a oposição. Para isso, precisaria ter maioria no Legislativo.

El Salvador é o país da América Central com maior déficit fiscal na pandemia. A diferença entre gastos e arrecadação do governo saltaram de 3% do Produto Interno Bruto (PIB), em 2019, para 10,5%, em 2020.

Para além do tema econômico, uma das pautas abraçadas pela esquerda e pela juventude local é a descriminalização do aborto. Com altos índices de violência de gênero, El Salvador é um dos cinco países do mundo que proíbem a interrupção da gestação em todos os casos.

:: Presidente de El Salvador: "Se eu quisesse, teria tomado controle de todo o governo" ::

Autoritarismo no país

Em entrevista ao portal Peoples Dispatch, Victor Suazo, membro da FMLN e candidato à Assembleia Legislativa por San Salvador, afirma que Bukele promove o avanço do autoritarismo no país. "Vivemos um retrocesso em nossa institucionalidade democrática e em matéria de direitos humanos", diz.

Bukele dobrou o investimento nas Forças Armadas sem justificativas no último ano, embora a Constituição de El Salvador limite as funções dos militares à defesa do território e da soberania nacional.

"Ele está utilizando as Forças Armadas de maneira política. Assim como a polícia nacional e civil, elas estão agora a serviço do seu partido político", lamenta Suazo.

Entre 1979 e 1992, a FMLN enfrentou o governo ditatorial de direita, apoiado pelos Estados Unidos, em uma guerra civil que matou mais de 80 mil pessoas. O conflito terminou com um acordo de paz, celebrado até hoje por militantes de esquerda. Desde então, a Frente se organiza como um partido político, mas continuou a sofrer agressões.

Para Suazo, os casos recentes de violência e prisão contra militantes da FMLN são resquícios da ditadura militar, cujos métodos são reproduzidos por Bukele. Ele lembra que o atual presidente considera o acordo de paz de 1992 "uma farsa" e deslegitima diariamente as instituições.

Assista a entrevista, em espanhol, com Victor Suazo:

Em 2019: Presidente de El Salvador toma posse afirmando que país precisará de "remédio amargo"

Acusações sem prova

Nas últimas semanas, o partido do presidente tem atacado o Tribunal Supremo Eleitoral (TSE), alegando uma suposta fraude que estaria sendo arquitetada para prejudicá-lo, sem apresentar provas.

Em meio a tantas polêmicas, uma das preocupações da oposição é a ausência de observadores internacionais que tradicionalmente acompanham os pleitos em El Salvador. A União Europeia, por exemplo, confirmou na última semana que não enviará uma comitiva de observadores ao país devido ao avanço da pandemia.

Edição: Rodrigo Durão Coelho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *