Site Overlay

Em três dias consecutivos, paraguaios protestam nas ruas contra presidente Benítez

Centenas de paraguaios saíram às ruas do país, pelo terceiro dia consecutivo, pedindo a renúncia do presidente Mario Abdo Benítez, a quem responsabilizam pela crise pela qual passa o país, com acusações de má gestão da pandemia da covid-19 e da lentidão na campanha de vacinação contra a doença.

Participam do protesto, em especial, familiares de infectados e falecidos por coronavírus, bem como trabalhadores do setor de serviços e que foram impactados pela crise. Os atos do domingo (7) ocorreram em frente à residência presidencial Mburuvicha Róga, em Assunção, capital paraguaia. Os manifestantes afirmam que irão permanecer em protesto até que o mandatário saia do poder. 

A primeira manifestação, na noite da última sexta-feira (5), ocorreu próximo ao Congresso Nacional, e acabou terminando com repressão policial e uso de balas de borracha e gás lacrimogêneo contra os que protestavam. Segundo a Telesur, a noite acabou com um saldo de 21 feridos e vários danos materiais. Já no protesto de sábado, ao menos oito pessoas foram levadas à delegacia.

No último período, o Paraguai enfrenta uma quantidade recorde de novos casos pela covid-19 e apenas 0,1% da população de 7 milhões recebeu ao menos uma dose do imunizante.

:: Leia mais: Paraguai: após protestos, presidente pede que ministros coloquem cargos à disposição ::

Retirada de ministros

Após os protestos do primeiro dia, Abdo Benítez pediu a saída de três ministros: Saúde, Julio Mazzoleni, que já havia pedido a renúncia; da Educação, Eduardo Petta; e da Mulher, Nilda Romero; além do chefe do Gabinete da Presidência, Juan Ernesto Villamayor. O mandatário ainda afirmou que outros poderão ser demitidos e que todos deveriam colocar seus cargos à disposição.

O Paraguai tem mais de 168 mil casos confirmados de covid-19 e mais de 3,3 mil mortes, segundo mapa da Universidade Johns Hopkins,

*Com informações da Telesur.

Edição: Vivian Fernandes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *