Site Overlay

EUA: número recorde de mulheres negras concorrerá ao Congresso

Elliott é uma de pelo menos 122 mulheres negras ou multirraciais que disputarão cadeiras no Legislativo federal na eleição deste ano

A parlamentar do estado do Arkansas (EUA) Joyce Elliott, que buscará uma vaga no Congresso norte-americano em novembro, foi apenas a segunda estudante negra no ensino médio de sua escola – a primeira foi sua irmã mais velha. Se eleita, ela será a primeira deputada negra de seu estado em Washignton.

A eleição do fim do ano será “uma chance de mudar nossa história”, disse ela à Reuters, após uma manifestação contra o racismo em um condado de maioria branca. “Decidi que precisava concorrer porque vejo um caminho para vencer”.

No momento em que os Estados Unidos lutam contra a pandemia do novo coronavírus, que vem infectando e matando negros desproporcionalmente, e testemunham tumultos contra a violência policial, um número recorde de mulheres negras está concorrendo ao Congresso.

Elliott é uma de pelo menos 122 mulheres negras ou multirraciais que disputarão cadeiras no Legislativo federal na eleição deste ano. A cifra aumenta constantemente desde 2012, quando foi de 48, de acordo com o Centro para Mulheres e Políticas Americanas (Cawp).

Agora que a temporada de primárias se aproxima do fim, quase 60 mulheres negras ainda estão no páreo, segundo o grupo Collective PAC.

“As pessoas estão ficando mais acostumadas a ver tipos diferentes de pessoas no Congresso. Você não sabe como é ter mulheres negras poderosas no Congresso até ver essas mulheres”, disse Pam Keith, veterana da Marinha e advogada, que concorre na primária democrata em busca de uma vaga pela Flórida.

As mulheres negras são quase 8% da população dos EUA, mas 4,3% do Congresso, de acordo com relatório do Centro para Mulheres e Políticas e Alturas Maiores da América, um comitê de ação política que visa a eleger mais mulheres negras progressistas para cargos públicos. Elas estão subrepresentadas em vagas executivas em todo o estado, e também entre os prefeitos, segundo o relatório.

As eleitoras negras, no entanto, tiveram o maior índice de participação de qualquer grupo nas eleições presidenciais de 2008 e 2012.

Historicamente, as mulheres negras sempre tiveram mais probabilidade de vencer em distritos de maioria negra, mas neste ciclo eleitoral muitas estão concorrendo em distritos mistos ou de maioria branca – alguns dos quais votaram anteriormente em republicanos.

Várias das oito candidatas negras ao Congresso, com as quais a Reuters conversou, disseram que se identificam melhor com os eleitores do que seus oponentes frequentemente mais ricos, porque elas também passaram por adversidades.

Com informações da Agência Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *