Site Overlay

Movimentos protestam contra Bolsonaro e recorde de mortes no Dia Mundial da Saúde

Nesta quarta-feira (7), é celebrado o Dia Mundial da Saúde, e, para denunciar o descaso do governo de Jair Bolsonaro com a população brasileira e o recorde de mortes na pior fase de pandemia de covid-19, sindicatos e movimentos populares realizam uma série de manifestações pelo país.

Além de manifestar revolta com a gestão bolsonarista, os atos pretendem reforçar a importância do Sistema Único de Saúde (SUS) e da quebra de patentes para garantir a vacinação de todos os cidadãos contra a covid-19.

Logo pela manhã, cerca de oitenta militantes da Frente Brasil Popular e Frente Povo Sem Medo ocuparam a área interna do Hospital Regional em Governador Valadares (MG).

A ação tem o objetivo de cobrar do Governo de Minas Gerais a abertura imediata do hospital, para conter os avanços da covid-19 no município.

Leia também: América Latina e Caribe superam 800 mil mortos por covid-19 no Dia Mundial da Saúde

Valadares registra 791 mortes e 100% de ocupação dos leitos em hospitais públicos e particulares. O ato de ocupação é por tempo indeterminado, afirmam organizadores.

Em Belo Horizonte, capital mineira, o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belo Horizonte (Sindibel) convocou os profissionais de saúde para um ato simbólico e simultâneo em todas as unidades de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS) vestindo roupas da cor preta para denunciar o colapso do sistema de saúde e os recordes diários de óbitos.

Leia também: Lockdown funciona: veja exemplos de cidades que diminuíram o contágio com a medida

Em São Paulo, também foram realizados atos no vão do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP) e no Grajaú, na zona sul do município. No sul do país, foram registrados protestos em Porto Alegre e Florianópolis, capitais do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, respectivamente.

Nas redes sociais, também tem programação. Na parte da manhã, o Conselho Nacional de Saúde promoveu a live Em defesa do SUS e da vida de todas as pessoas.

Na parte da tarde, o Programa Brasil Popular fala sobre a pandemia e os desafios do SUS com Inez Padula, diretora científica da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, e Francisco Funcia, consultor técnico da Comissão de Orçamento e Financiamento do Conselho Nacional de Saúde. 

Edição: Leandro Melito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *