Site Overlay

Novo caso em Wuhan após mais de um mês sem registo de contágios

A China elevou hoje o nível de risco epidemiológico num distrito de Wuhan (centro), após a descoberta de um novo caso de covid-19, o primeiro em mais de um mês nesta cidade, que foi o berço da atual pandemia

AComissão Nacional de Saúde anunciou que foi detectado um novo caso nesta cidade localizada no centro da China, tratando-se de um homem de 89 anos residente no distrito de Dongxihu, na zona noroeste de Wuhan.

A cidade de Wuhan, onde foi detectado pela primeira vez o novo coronavírus em dezembro passado, não registrava nenhum caso da doença covid-19 desde 03 de abril.

Perante este novo caso, as autoridades locais decidiram elevar o nível de risco epidemiológico neste distrito de “baixo” para “médio”.

Wuhan, uma cidade com cerca de 11 milhões de habitantes, é considerada atualmente uma zona de “baixo risco” desde que foi levantado, em 08 de abril, um período de quarentena de mais de dois meses e a rotina diária das pessoas começou gradualmente a ser retomada.

Por exemplo, os alunos do ensino secundário regressaram às aulas na passada quarta-feira — com uso de máscaras de proteção individual e sob medidas sanitárias rigorosas – após quatro meses de férias forçadas devido ao vírus.

A par deste caso em Wuhan, a China informou hoje ter registrado, nas últimas 24 horas, outros 13 novos casos de infecção no país, sendo que a maioria foi diagnosticado no nordeste do país, onde a cidade de Shulan foi colocada em quarentena.

Trata-se da primeira vez desde 01 de maio que o país anuncia um número diário de contágios de dois dígitos.

Em termos totais, e desde o início da crise, a China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau) contabilizou oficialmente 82.901 casos, incluindo 4.633 vítimas mortais e 78.120 pessoas recuperadas.

No sábado, a China admitiu que o novo coronavírus revelou “lacunas” no sistema de saúde chinês e nos respectivos mecanismos de prevenção de doenças infecciosas.

“A luta contra a epidemia da covid-19 foi um grande teste para o sistema e para as capacidades de governação do país”, afirmou, no sábado, o vice-ministro chinês da Saúde, Li Bin.

O governante admitiu na mesma altura que o surto “também revelou que a China ainda possui lacunas nos seus sistemas e mecanismos de prevenção e controlo de grandes epidemias e no seu sistema público de saúde”.

As declarações do vice-ministro chinês da Saúde ocorreram num momento em que os Estados Unidos têm intensificado as acusações e as críticas a Pequim, com a administração norte-americana a afirmar que as autoridades chinesas ocultaram informações sobre o vírus e geriram mal a crise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *