Site Overlay

RS: Coletivo Mães da Periferia realiza “vaquinha” para construir centro cultural

No mês dedicado à visibilidade das lutas de mulheres mundo afora, o Sindicato dos Servidores de Nível Superior do Rio Grande do Sul (Sintergs) busca mobilizar servidoras e servidores para uma ação social em prol do Mães da Periferia. O coletivo autônomo atua com mulheres em situação de vulnerabilidade social em comunidades de Porto Alegre, Viamão e Alvorada.

A ideia é ajudar a divulgar a “vaquinha” e ampliar a arrecadação de recursos para a compra de um terreno onde será construído um centro cultural, com espaço de acolhimento e biblioteca. A meta é arrecadar R$ 10 mil, valor referente à parcela de entrada para pagamento do lote, que custa R$ 25 mil. O restante será angariado posteriormente, com ações na comunidade. 

Saiba mais: Movimentos populares divulgam manifesto do 8 de março; conheça as pautas centrais

“Formamos uma rede de informação e de empoderamento do povo periférico, principalmente para as mulheres, que é o público mais afetado”, explica Letícia do Nascimento, idealizadora e uma das fundadoras do Mães da Periferia.

Hoje, o trabalho é feito porta a porta, o que dificulta o acolhimento em situações de violência doméstica, por exemplo. Além de qualificar o atendimento às mulheres, o centro cultural também será um ponto de referência para quem busca ajuda.  

Diretora do Sintergs, Angela Antunes ressalta que o apoio à campanha do coletivo, entre outras ações sociais que vêm sendo desenvolvidas pelo sindicato, é uma tentativa de reduzir os impactos da pandemia e da crise para as populações mais vulneráveis. “O trabalho do Mães da Periferia nos encantou e ficamos felizes em poder contribuir. O grupo atua diretamente nas comunidades, em ações importantes que envolvem educação, renda, alimentação e autonomia em lugares que, muitas vezes, o poder público não chega ou custa a chegar”, relata.

Leia também: Mulheres estão à frente das mobilizações populares

Sobre o Mães da Periferia

O coletivo Mães da Periferia surgiu há pouco mais de um ano, quando a estudante do curso técnico de Enfermagem Letícia do Nascimento apresentou um trabalho sobre saúde coletiva. Na atividade, a aluna abordou a falta de estrutura mínima na Ocupação Jardim Continental, no Morro Santana, na capital gaúcha, onde residia. Na comunidade, há moradias sem abastecimento de esgoto, água e luz. A coleta de lixo é precária. “Não é sobrevivência, é subviver”, define Letícia.

:: Em tempo de crise, mulheres são primeiras a serem demitidas, diz economista do Dieese ::

Na ocasião, a professora de Letícia ficou sensibilizada e passou alguns contatos de pessoas que poderiam ajudá-la. A iniciativa resultou no pontapé inicial para a formação do coletivo.

Letícia recebeu a doação de 32 cestas básicas e precisou pensar em como estabelecer prioridades e distribuir os alimentos de forma justa. Como era recém chegada na comunidade, a dificuldade era ainda maior. Neste desafio, contou com a ajuda de oito amigas e vizinhas. Juntas, definiram que a preferência seria das mães solo e daquelas com o maior número de crianças, incluindo filhos e enteados.

Assim, surgiu o Mães da Periferia. Em um único dia, foram cadastradas 187 famílias em situação de vulnerabilidade social. De lá para cá, o coletivo mapeou 3,5 mil famílias.

O trabalho social se expandiu por comunidades de Porto Alegre, Viamão e Alvorada. Hoje, Letícia conta com o apoio de aproximadamente 15 mulheres, que multiplicam seu trabalho nestes territórios. “Queremos potencializar mulheres de áreas distintas para atender em mais comunidades”, explica sobre a atuação no levantamento das áreas e das demandas.

Atuação do coletivo

  • Arrecadação e doação de alimentos

  • Educação popular

  • Apoio jurídico

  • Atendimento em saúde mental e coletiva

  • Feiras livres de vestuário quinzenais 

  • Horta comunitária 

Como ajudar – arrecadações permanentes

  • Cestas básicas

  • Produtos de higiene

  • Roupas e calçados

  • Livros e material didático

Para a entrega das doações, contatar Letícia do Nascimento pelo telefone ou Whattsapp (51) 98574.9879.

A distribuição das doações é feita de acordo com a demanda, sempre respeitando a triagem que elenca algumas prioridades: mulheres com filhos, idosas ou com deficiência. Doações em dinheiro só são recebidas em campanhas pontuais, como a “vaquinha”.

*As informações são da Assessoria de Comunicação SINTERGS

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Rebeca Cavalcante e Marcelo Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *