Site Overlay

Trabalhadores fazem greve contra privatização da empresa de transporte público em Porto Alegre

Com faixas e tambores, os trabalhadores da Carris realizaram, na manha de sexta-feira (3), uma caminhada pelas ruas de Porto Alegre (RS) com objetivo de alertar a população sobre os riscos da privatização da empresa. A desestatização da companhia faz parte dos projetos encaminhados pelo prefeito Sebastião Melo (MDB) à Câmara de Vereadores referentes ao transporte público da capital.  

Durante o ato os trabalhadores, também, protestaram contra a decisão da Câmara de Vereadores, de quarta-feira (2), que aprovou a extinção da profissão de cobrador, projeto que integra o pacote de Melo. Além da privatização, aguarda para se votado o fim de isenções de tarifa.

A caminhada desta sexta-feira foi acompanhada de perto por integrantes do batalhão de choque da Brigada Militar. Ela também foi acompanhada pelos vereadores Matheus Gomes (Psol) e Bruna Rodrigues (PCdoB). 

Os trabalhadores permanecem em vigília em frente à sede da empresa, localizada no bairro Partenon e seguem articulando os próximos passos da mobilização em defesa da Carris pública. Em assembleia realizada durante a tarde, ficou acordado uma nova mobilização para próxima segunda.

Representantes dos funcionários reforçam que 65% da frota está circulando, em respeito ao acordo feito junto ao Tribunal Regional do Trabalho. O percentual mínimo de circulação foi estipulado em uma liminar assinada pelo desembargador Francisco Rossal do Araujo. Em sua decisão o magistrado pondera que a não prestação de serviço de transporte coletivo pode colocar em risco a população de Porto Alegre, quanto ao acesso à saúde.

Contudo, o desembargador salienta a legitimidade da paralisação. “Por outro lado, aos trabalhadores não resta outra saída senão o movimento paredista, em face da possibilidade de privatização da empresa e consequente e sabida perda de empregos, caso venha a ser efetivada”, apontou. A liminar prevê pena de multa diária de R$ 20.000,00 caso seja descumprido o acordo.

Por meio de sua conta oficial no twitter o prefeito Sebastião Melo voltou a afirmar que a greve seria injusta, inadequada e inoportuna. “O que mais se vê na porta da Carris são bandeiras de partidos políticos e não trabalhadores”, frisou, ressaltando que se não for cumprido o acordo judicial na greve da Carris, "é corte de ponto e salário imediatamente".

Em resposta ao prefeito, o vereador Matheus Gomes postou um vídeo contestando a afirmação, mostrando que havia sim trabalhadores da empresa. 

Esse vídeo é pro prefeito Sebastião Melo que acabou de escrever que não tinham trabalhadores da Carris em greve. Prefeito, abra o diálogo! Essa paralisação só existe por que a prefeitura se negou a debater o futuro do transporte com quem faz o transporte acontecer! Negocie! pic.twitter.com/pPNK9HsuZE

— Matheus Gomes (@matheuspggomes) September 3, 2021

 

:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato RS no seu Whatsapp ::

SEJA UM AMIGO DO BRASIL DE FATO RS

Você já percebeu que o Brasil de Fato RS disponibiliza todas as notícias gratuitamente? Não cobramos nenhum tipo de assinatura de nossos leitores, pois compreendemos que a democratização dos meios de comunicação é fundamental para uma sociedade mais justa.

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Marcelo Ferreira