Site Overlay

UE cria roteiro para reabertura baseado em critérios científicos

Até esta terça, dez países do continente já haviam anunciado planos para relaxar as quarentenas, dos quais cinco já retomaram algumas atividades.

BRUXELAS, BÉLGICA (FOLHAPRESS) – Três critérios técnicos devem guiar os governos europeus na decisão de relaxar as quarentenas impostas contra o coronavírus, segundo documento que será apresentado nesta quarta (15) pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

São eles a evolução das transmissões, a capacidade do sistema de saúde e a capacidade de acompanhar novos casos.

O texto “Um roteiro europeu para levantar medidas de contenção da Covid-19”, obtido pela reportagem, detalha também princípios que devem orientar as retomadas e sugere medidas de acompanhamento.

Até esta terça (14), dez países do continente já haviam anunciado planos para relaxar as quarentenas, dos quais cinco já retomaram algumas atividades: Eslováquia, República Tcheca, Áustria, Itália e Espanha. A Dinamarca reabre escolas na quarta, e Noruega, França, Bélgica e Polônia também tornaram pública a intenção de aliviar os confinamentos.

A decisão sobre quem, como e quando voltar à vida anterior à pandemia é de cada governo, diz a Comissão Europeia: o objetivo do “roteiro” é garantir que essas decisões sejam coordenadas, para que os países não se prejudiquem entre si.

No primeiro critério, os governos devem estar seguros de que a propagação do coronavírus diminuiu significativamente por um período de tempo sustentando. Isso pode ser indicado por uma redução duradoura no número de novos casos e de internações.

O segundo ponto, da capacidade hospitalar, deve ser medido pela taxa de ocupação de UTIs, o número de leitos hospitalares disponíveis, o acesso a produtos farmacêuticos usados em casos críticos para os quais possa haver risco de escassez (antibióticos, anestésicos, medicamentos para reanimação e relaxantes musculares) e o estoque de equipamentos (ventiladores, equipamentos de proteção).

Também devem ser verificado que há profissionais de saúde em quantidade suficiente, com capacidade de atuar (protegidos de infecção ou recuperados da doença) e treinados para atender a emergências respiratórias.

Esse critério é essencial, segundo a Comissão, porque garante que as equipes possa atender não só um repique de infecções por Covid-19 como um aumento de procura de casos que foram adiados temporariamente por causa da pandemia.

Em terceiro lugar, os governos devem ter desenvolvido capacidade de monitorar a população, incluindo testes em larga escala para detectar a propagação do vírus, rastrear os contatos de quem for infectado (que devem entrar em quarentena) e tratar os doentes.

Detecção de anticorpos também é necessário para calcular a parcela da população que já teve contato com o coronavírus e pode ter adquirido imunidade.

Principalmente nos maiores Estados, os governos devem avaliar esses critérios em nível regional, pois pode haver áreas do país menos preparadas para relaxar as medidas.

Com base nas recomendações da ECDC (agência para o controle de doenças) e num grupo de consultores sobre como combater a pandemia, a UE sugere os seguintes passos para retomar as atividades:

Fazer o relaxamento gradual, em etapas diferentes, com um tempo razoável para medir seus efeitos (a sugestão é de um mês).

Substituir progressivamente medidas gerais por outras mais específicas. Por exemplo, prolongar o distanciamento social dos idosos.

Começar com o relaxamento de medidas com impacto local e estendê-lo gradualmente, levando em conta diferenças regionais.

Abrir em fases as fronteiras internas e externas, levando em consideração as diferenças regionais de infecção e abertura e garantindo o transporte de carga.

Retomar a atividade econômica de forma gradual, com base na possibilidade de trabalho remoto, na importância econômica da atividade, na frequência de contato dos trabalhadores.

Nem toda a população deve voltar ao local de trabalho ao mesmo tempo. A prioridade devem ser setores menos ameaçados essenciais para facilitar a atividade econômica, como transporte.

Permitir progressivamente reuniões de pessoas, com horários diferentes para almoço em escolas, salas de aulas menores, mais ensino à distância, restrição ao número de clientes em lojas, redução do horário de funcionamento e da ocupação de restaurantes.

No transporte público, a densidade de passageiros deve ser reduzida, a frequência de serviço aumentada e deve ser assegurado equipamento de proteção e barreiras de desinfecção.

Reforçar a comunicação para impedir a propagação do vírus, com campanhas sobre práticas de higiene (lavar as mãos, etiqueta para tossir / espirrar, limpar superfícies com alto contato etc.) e distanciamento social

Monitorar continuamente o relaxamento e manter a preparação para retomar medidas de contenção mais rigorosas, em caso de aumento das taxas de infecção

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *