Site Overlay

"Vim para rua porque o fascismo está aí": o que moveu os ativistas de esquerda no 7 de setembro

*Colaborou Murilo Pajolla

Neste 7 de setembro, Dia da Independência, o ato contrário ao governo de Jair Bolsonaro (sem partido) no Vale do Anhangabaú, em São Paulo (SP), reuniu 50 mil pessoas, segundo estimativa dos organizadores.

A capital paulista foi uma das cerca de 200 cidades do Brasil e do Exterior que tiveram protestos unificados com o histórico Grito dos Excluídos e Excluídas contra o governo federal e pela democracia. 

::"Fora, Bolsonaro" e Grito dos Excluídos mobilizam 200 cidades contra a fome e pela democracia::

O Brasil de Fato circulou pelo Anhangabaú e ouviu manifestantes com diferentes perfis. Seja pela fome, pela falta de moradia digna ou pelo receio de uma ofensiva antidemocrática, todos carregavam, em comum, a palavra de ordem "Fora, Bolsonaro". 

Maria Arapoty, 55 anos

imagem08-09-2021-09-09-50 "Cada ano que passa fica pior. Precisa proteger os espíritos das árvores" / Thais Haliski

Maria Arapoty é uma dos 60 moradores da aldeia do Jaraguá, do povo Guarani, localizada na zona oeste de São Paulo.

“A gente pensa que esse governo Bolsonaro precisar deixar a gente viver em paz em nosso território. Estamos sendo atacados. Precisa proteger a natureza", afirmou, ao justificar sua presença no ato,

Sentindo na pele os efeitos da política anti-indígena de Bolsonaro, ela percorreu 25 quilômetros para participar do protesto.   

"Nós queremos a demarcação do nosso território. As florestas e a mata atlântica precisam ser protegidas. Só existe natureza onde tem povo indígena", defendeu.

Silmara Silva, 45 anos

imagem08-09-2021-09-09-51 “Vim para a gente conseguir mudar a situação do país" / Thais Haliski

Aos 45 anos, Silmara vive com cerca de 2.000 famílias na ocupação Nova Canudos, em Taipas, zona norte de São Paulo. O local reúne moradores que, sem emprego e renda, não têm dinheiro para pagar por moradia na cidade mais cara do país. 

"Hoje tem mais pessoas nas ocupações do que antes desse governo. As pessoas não têm dinheiro para comprar comida, quanto mais pagar aluguel. Vim porque precisamos mudar essa situação", afirma. 

Wilson Raimundo Rodrigues, 72 anos

imagem08-09-2021-09-09-52 "Vamos ter que lutar mais, ser mais radicais" / Thais Haliski

A idade não foi impeditivo para Wilson se juntar à multidão no centro de São Paulo. Vacinado e de máscara, ele opinou que é responsabilidade da população frear as ameaças golpistas de Bolsonaro. 

“Espero que essa manifestação seja uma demonstração no Brasil contra a tentativa de uma ditadura bolsonarista. Eu acho que tem pouca gente aqui, tem que aumentar", cobrou. 

"Vamos ter que lutar mais, ser mais radical contra esse poder que tá tentando acabar com o Brasil", finaliza o aposentado. 

Felipe Rozini, 30 anos

imagem08-09-2021-09-09-53 "Hoje demonstramos que também temos poder" / Thais Haliski

Com o antifascismo estampado no rosto, Felipe saiu de casa por acreditar na importância dos atos populares para conter a onda antidemocrática capitaneada por bolsonaristas.     

“Já está demonstrado que o fascismo está aí. Do outro lado, eles querem violência. Nós temos que estar preparados. Particularmente acho vantajoso fazer atos. Mostra que tem gente vem se opondo, demonstra união. Precisamos de uma frente ampla", opina. 

Luzia Paula Cantal, 54 anos

imagem08-09-2021-09-09-54 "As manifestação são movimentos democráticos" / Thais Haliski

Luzia é uma das advogadas que compunha o grupo de observadores da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) responsável por prevenir violações de direitos humanos cometidas por militares e civis durante o protesto na capital paulista. 

“A minha expectativa é de que a população de forma pacífica e democrática demonstre suas insatisfações. As manifestação são movimentos democráticos. É um direito pleno. Seja de que partido for", afirmou. 

"Não vejo como uma ato negativo aqui ou na (avenida) Paulista (onde se concentraram manifestantes em apoio ao presidente), desde que, como pautas democráticas, que não ferem a Constituição".

Ameaças bolsonaristas não se concretizaram

A OAB avaliou que a expectativa de violência contra a população e de atos de ruptura institucional por parte de apoiadores do governo federal, anunciadas publicamente nos dias anteriores ao 7 de setembro, não se concretizou.  

“Todas as ameaças que nós havíamos recebido, compartilhadas nas redes sociais por policiais militares incitando colegas à comparecem na manifestação armados, diante de tudo isso, acho que realmente os atos correram de forma tranquila e pacífica", avaliou Ana Amélia Mascarenhas, presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-SP.

“Sem adentrar ao mérito dos absurdos contra o estado democrático e de direito que faz parte dos discursos do presidente, a Policia Militar de São Paulo teve organização suficiente para impedir tumultos e atos de violência na manifestação que abarcava pautas contrárias ao estado democrático e de direito, na avenida Paulista", afirmou a advogada, que também é professora do curso de Direito da PUC-SP. 

Atos pelo Brasil

Veja, abaixo, imagens dos atos progressistas neste 7 de setembro em todo o país.

 

#7sForaBolsonaro | No Vale do Anhangabaú, manifestantes no Grito dos Excluídos pautam a defesa da democracia, da vida e dos direitos do povo brasileiro 📷 @marcelanicolass / @levantedajuventude Acompanhe a cobertura no #BrasildeFato: https://t.co/56X5yqoXgS pic.twitter.com/o7pkphTHi2

— Brasil de Fato (@brasildefato) September 7, 2021

 

LONDRINA (PR) ✊🏽🚩Famílias do Assentamento Eli Vive, doam mais de 3 toneladas de alimentos em atividade do Grito dos excluídos, em Londrina. #7SForaBolsonaro Acompanhe a cobertura no #BrasildeFato https://t.co/hSdZ3mXbrE pic.twitter.com/Bnnhk6lzyp

— Brasil de Fato (@brasildefato) September 7, 2021

#7sForaBolsonaro | Em Fortaleza, movimentos sociais protestaram contra os altos valores dos alimentos e do gás de cozinha: #Bolsocaro Vídeo: Camila Garcia Acompanhe a cobertura no #BrasildeFato https://t.co/56X5yqoXgS pic.twitter.com/R4OtSGkunA

— Brasil de Fato (@brasildefato) September 7, 2021

Edição: Vinícius Segalla